terça-feira, 15 de julho de 2014

Cidade Imaginária disponível para venda!

Enquanto o livro Cidade Imaginária não está nas principais livrarias, estou mandando para todo o Brasil por correio. 

Para quem não conhece este trabalho,o livro é composto por xilogravuras que através de recortes e dobraduras tornam-se tridimensionais ao abrir as páginas. Cada gravura dialoga com um texto breve, que representa uma das possíveis leituras daquela imagem.


São 2 edições, uma de 1000 exemplares, que é em off-set e uma edição especial de 50 exemplares assinados e numerados em que os livros são impressos e coloridos a mão. Quem tiver interesse, me escreva em anico@terra.com.br pois não costumo entrar no Facebook. 


O exemplar em off-set custa R$ 70,00
O Livro artesanal, numerado, assinado, impresso e colorido à mão, custa R$ 1000,00

Obrigada 



quinta-feira, 5 de junho de 2014

Cidade Imaginária na Galeria Gestual

Convido todos para abertura da exposição e lançamento do livro Cidade Imaginária, projeto que estive trabalhando no último ano e meio.

-_

O Fumproarte e a Galeria Gestual convidam para a abertura de exposição e lançamento do livro de artista CIDADE IMAGINÁRIA, de Anico Herskovits, com textos de Jorge Rein.

O livro é composto por xilogravuras que através de recortes e dobraduras tornam-se tridimensionais ao abrir as páginas. Cada gravura dialoga com um texto breve, que representa uma das possíveis leituras daquela imagem.

Além da edição convencional, será lançada uma edição limitada, com as gravuras prensadas e coloridas à mão.

---
Abertura da exposição: 

Dia 14 de junho de 2014, sábado, às 11h
Local: Galeria Gestual, Av. cel. Lucas de Oliveira, 21- Porto Alegre - RS

A exposição permanecerá aberta à visitação até o dia 12 de julho, de segunda a sexta-feira das 10h às 19h, e aos sábados das 10h às 14h.



sexta-feira, 27 de julho de 2012

Curso de Xilogravura na Koralle em Agosto!

Pessoal, estarei ministrando um curso de xilogravura na Koralle, em Porto Alegre, agora em Agosto.

As aulas serão 2x/semana à tarde, mais informações falar com a Koralle.


quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Bichos

Cochilo, 1992. Gravura em Metal. 14x17cm


Emas, 1992 . Gravura em Metal. 12x8,5cm

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Vista de Ararit. Gravura em Metal. 2002-4




por Eduardo Veras

Ano passado a revista Isto É decidiu eleger uma série de grandes personalidades brasileiras. Vieram pedir o meu voto na área de arquitetura e artes plásticas. Eu deveria apontar 30 nomes, e o critério era absolutamente pessoal, o que eu achasse importante, o que eu achasse que merecia ser lembrado, louvado, apreciado. Como entendo pouco de arquitetura, fiquei nos óbvios: Lina Bo, Lúcio Costa, Niemeyer. Nas artes, onde tenho a estupenda pretensão de manjar alguma coisa, sugeri alguns nomes por tudo e em tudo obrigatórios: Volpi, Iberê, Grassmann, Oiticica, Mira Schendel. Mas, como a lista era minha e o critério era pessoal, indiquei também nomes que certamente só iriam figurar nessa minha lista e na de nenhum dos outros votantes (eram uns 20). Escolhi artistas cujos trabalhos, entre tudo quanto eu tinha visto ao longo de sete anos como repórter nessa área, haviam me marcado profundamente e que eu apontaria sem titubear como alguns dos grandes criadores brasileiros contemporâneos. Eram três nomes nessa “categoria”: Manuel da Costa, Jailton Moreira e Anico Herskovits.

Lembrei disso agora, quando o Leandro me pediu um texto para acompanhar a exposição “virtual” da Anico. Essa introdução toda era pra dizer que eu considero a Anico um dos grandes artistas brasileiros. É o meu palpite, e o leitor faça o favor de me desculpar. Me pediram uma opinião. Primeiro, a Istoé. Depois, o Leandro. Estou me manifestando. É a primeira vez que faço um texto público na primeira pessoa. Não se trata, pois, de um texto jornalístico tradicional e não haverá aqui qualquer remota tentativa de isenção.

Devo confessar, antes de tudo, que Anico é minha amiga (e o amigo, dizia Nelson Rodrigues, é o grande acontecimento. O resto é paisagem). Mas, antes de ser minha amiga, Anico foi minha professora. Por dois anos, estudei xilogravura com ela. Também fiz aulas de desenho. Foram sessões e sessões, semana após semana, desenhando uma mesma semente. E como eu aprendi com aquilo. Desenhava, desenhava, desenhava. Anico ia só alcançando material, contando alguma coisa, falando de algum filme, de muitos livros, das viagens maravilhosas que ela fez, dos trabalhos de outros artistas, das suas admirações, Hokusai, Dürer, Goeldi. No final da aula, ela espalhava todos os desenhos pelo chão. Olhava um por um com carinho, com cuidado, com atenção.

Era inclemente nas críticas, mas sempre, invariavelmente, estimulante. No fim, não me tornei um desenhista, talvez não deva me orgulhar muito daqueles desenhos, mas lembro do prazer enorme das aulas, a delícia que era ficar desenhando, uma, duas, três, até quatro horas, apenas com uma pausa breve para o suco de maracujá que a Lucia vinha trazer.

Antes disso ainda, antes da Anico ter ficado minha amiga e antes ainda das aulas, eu já admirava o seu trabalho. Lembro vivamente do impacto da primeira visão de umas gravuras suas bem pequenas, muito sutis e delicadas, em que ela reproduzia uma garça na água, um cachorro dormindo, uma gata se espreguiçando. Eu poderia dissertar sobre essas e outras obras suas mais ambiciosas e igualmente fascinantes, como o projeto do Circo ou o livro do Pantanal. Mas já sei que não vou conseguir explicar porque admiro tanto esses trabalhos e, a priori, desisto da empreitada.

Pra fechar, vou apenas mencionar a ética profunda, o respeito pelo trabalho, a autenticidade que movem a criação da Anico. Às vezes, desanimada, ela vem falar pra mim como se tentasse convencer a si mesma:

“Esse negócio de gravura não dá mais. Ninguém gosta, ninguém se interessa. A gente tem um trabalho enorme, e depois não querem nem ver.”

E ela diz isso meio cabisbaixa, dando de ombros. Mas no encontro seguinte já vem mostrar toda faceira uma nova gravura que acabou de fazer. É uma flor, uma paisagem que ela viu em Israel, um gato que ela tinha. Para sorte nossa, ela não vai desistir nunca. Acho que vai desenhar sempre.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Cão e Gato


Pintado. 5x9cm Gravura em Metal, 1993

De perfil. 8x8cm Gravura em Metal, 2000


segunda-feira, 6 de setembro de 2010

mais da Série Bichos

Tartarugas. 6,5cm. Xilogravura, 2000

Onça Pintada. 8x16cm. Xilogravura. 1994

Árvore com Tucanos. 8x15cm. Xilogravura. 1995



quarta-feira, 25 de agosto de 2010

da Série Bichos

Galinhas d'Angola. 5,5x8cm. Xilogravura. 1993



Vaca e terneiro. 5,5x8,5cm. Xilogravura. 1993





Cavalo e Garças Pantaneiras. 6x9cm Xilogravura. 1995

quarta-feira, 19 de maio de 2010

sábado, 15 de maio de 2010

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Laelia

Cor de maravilha

No Museu do Trabalho


TESTEMUNHA DO TEMPO

Testemunha do tempo, 2006.



SISSI

Sissi Furacão